Tema da semana: 'Sinais'

segunda-feira, maio 01, 2006

Nosso intenso caso de amor

“Eu sempre fui apaixonado por mimeógrafos”. Foi com esta frase que, em maio do ano passado, eu apresentava este blog aos leitores. De lá para cá, muita coisa mudou: José Dirceu e Palloci foram para o espaço, o meu Flamengo andou namorando com a Segunda Divisão, entrei no Orkut, descobri e me apaixonei pela Bruninha Surfistinha, saí do Orkut, o São Paulo foi campeão mundial, sorri, chorei, deixei de escrever às segundas-feiras, tirei a barba, entrei na academia e por aí vai. O que não mudou foi a paixão por este Mimeographo.

E pelas pessoas que aqui escrevem ou escreveram. O prazer de acessar a internet para ler Marcos Donizetti, Jussara Soares, João Henrique, Wallace Feitosa, Tatiana Campelo, Paulo Galvez, Sandra Pontes, Myllena Valença e Gabriel de Assis, sem falar naqueles que honraram os convites para participar pontualmente. A todos, muito obrigado. Uma vez hectógrafo, sempre hectógrafo. Mesmo escrevendo pouco, postando pouco, deixando de atualizar seus textos e até saindo da linha de frente e indo para os bastidores, como foi o meu caso.

Testemunhar o primeiro ano de vida do blog me faz compará-lo a um caso de amor. Sabemos todos que a convivência pode desgastar relações. A verdade é mais cruel do que a fantasia. Tanto que o amor perfeito que existe é o de Romeu e Julieta, porque ambos morreram e não viveram o cotidiano comezinho de qualquer relacionamento. Mesmo assim, nós, seres humanos, insistimos e procuramos a felicidade compartilhada com uma cara metade. Porque queremos ser felizes.

É por isso que estou escrevendo estas linhas.

É por isso que espero, em maio de 2007, voltar a escrever sobre o segundo ano de vida do Mimeographo, nosso intenso caso de amor, hectógrafos e leitores.


Por Helton Fraga