Tema da semana: 'Sinais'

sexta-feira, junho 10, 2005

Soberba

"Altura de algo que é superior a outro; elevação; estado sobranceiro; sentido de ativar sobranceira; orgulho; complexo excessivo de orgulhoso; altivez; insolência; presunção; tirania. O inverso de humildade; submissão. Sinônimo de austeridade". Santo Aurélio! Quanto palavrão para chamar o sujeito de metido à besta e marrento. Com certeza conhecemos pessoas assim. Vemos pessoas assim diariamente. Amamos pessoas assim diariamente. Odiamos também. Pecamos também. Sete pecados capitais. Ira, inveja, gula, avareza, luxúria, ganância e soberba. Quanta coisa ruim e boa ao mesmo tempo.
Quem nunca ficou irado ao ver a mulher amada ser capturada por outro. E uma vez perdido o amor da mulher, tenha sentido tremenda inveja do possuidor. Em seguida ir ao bar mais próximo para encher a cara de coxinhas de 50 centavos, baratinhas, pensando nas maravilhas amorosas feitas pela mulher que era sua. “Será que ela me deixou por causa de dinheiro? Reconheço que estou meio sem dinheiro, mas será?”. Logo depois entra uma mulher linda e a paixão cresce novamente. Volta a se sentir o melhor de todos. O conquistador comedor de coxinhas. "The best". Perde e ganha do amor. Homem sempre quer todas. O ser humano quer tudo. Nunca está satisfeito com o que tem. Só aí foram sete pecados de uma só vez.
A todo momento vem essa sensação de estarmos fazendo coisa errada. Não dar passagem ao pedestre, xingar no trânsito, fazer uma brincadeira de mau gosto, olhar mulheres acompanhadas na rua, comer além do normal, contando com aquele famoso regime da segunda-feira, que nunca começa. De todos os pecados, o pior é a soberba. Comemos, passamos mal, daqui a pouco está tudo bem. Ficamos com raiva do governo, do vizinho, do patrão, mas em seguida, esfriamos a cabeça e tudo volta às mil maravilhas. Mas a soberba... Como botar o troço pra fora? Como tirar de alguém? Como tentar acalmar uma pessoa arrogante? Impossível. E quando acontece o “Encontro de Arrogantes”? Geralmente em sinais de trânsito, ocasionando a morte de algum infeliz que estava passando no local, em bares, boates, escolas e em prédios. Não existe coisa pior que pessoa dona da verdade. Pessoas mal acostumadas em sempre ter razão. Egoístas.
Não tem sexo. Não deixa marcas. Não dá febre e nem abaixa a pressão. É uma doença sem sintomas e sem cura. Quando menos se espera, pronto, o marrento aparece. Gente que perde tudo em jogo, perde herança, perde a vida confortável que tinha, mas continua tentando viver como se nada tivesse acontecido. Pessoas orgulhosas que não levam desaforo para casa. Tudo é motivo de discussão e briga. Pais que param de falar com os filhos, filhos que param de falar com os pais, por simples capricho ou vergonha de dizer “me desculpe”. Esperar que as pessoas liguem e peçam desculpas por erros não cometidos. Dureza.
Não gostamos de ser humilhados. Quando acontece, tentamos buscar força no interior usando nosso orgulho como escudo. Seria bom poder deixar pra lá. Sempre. Seria bom ignorar insultos, humilhações gratuitas, xingamentos e olho grande. Quem sabe ao fazermos, os pecadores nos deixem em paz? Como é difícil viver sem pecados...

Por Wallace Feitosa

Amanhã: Preguiça